Em 07 de janeiro de 2002, o Tesouro Nacional, com o suporte técnico e operacional da Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia – CBLC, (incorporada pela BM&FBOVESPA em novembro de 2008) implementou o Tesouro Direto, que possibilita a aquisição de títulos públicos por pessoas físicas diretamente pela Internet.

O Programa tem como objetivos democratizar o acesso para investimentos em títulos federais, incentivar a formação de poupança de longo prazo e fornecer informações sobre a administração e a estrutura da dívida pública federal brasileira.
Os títulos públicos federais são créditos emitidos pelo Tesouro Nacional ao público para financiamento do Déficit Orçamentário Geral da União sob a forma escritural (meio eletrônico) e custodiados por Central Depositária especializada e habilitada.[/wpcol_1half] [wpcol_1half_end id="" class="" style=""]Anteriormente, as pessoas físicas compravam títulos públicos apenas indiretamente, através da aquisição de cotas de fundos de investimento. Os recursos provenientes das aplicações em fundos de investimento são utilizados pelas Instituições Financeiras para adquirir títulos públicos no mercado primário (leilões tradicionais do Tesouro Nacional) ou no mercado secundário (negociações com outros agentes). A partir da implantação do Tesouro Direto, os poupadores ganham uma forma alternativa de aplicação dos seus recursos com rentabilidade e segurança, sem a necessidade de intermediação financeira nas negociações.
Além disso, os investidores se beneficiam de poder administrar diretamente seus próprios recursos adequando os prazos e indexadores dos títulos aos seus interesses.  Leia mais…

 



Brasilia